5 de agosto de 2008

CALL GIRL

Maria, uma «call girl» de luxo, é contratada por Mouros para seduzir Meireles, presidente da câmara de Vilanova, na tentativa que este autorize uma multinacional a construir um empreendimento turístico de alta qualidade. Entretanto, Madeira e Neves, polícias da PJ, descobrem os indícios de corrupção e começam a investigar Meireles. Tudo se torna ainda mais complexo quando Madeira descobre que Maria, a paixão da sua vida, é o isco que obrigará o político a ceder...
"Call Girl" é realizado por António Pedro Vasconcelos!
Tem uma linguagem muito ordinária!
Neste filme Soraia Chaves vende o filme mas é Ivo Canelas que fica na memória. Pessoas honestas que nascem "pobres" morrem "pobres"! (LOL)

14 de julho de 2008

BALAS & BOLINHOS - O REGRESSO

Os cromos estão de volta!
Rato está com problemas de dinheiro. Culatra anda teso e com problemas. Mas um dia descobrem a solução para todos os seus males... roubar o mapa de um tesouro, que vai despoletar novamente uma série de confusões...
É preciso reunir o grupo, mas falta um líder. Tone está de regresso para comandar a legião dos 'duros'. Contra tudo e contra todos, Tone, Culatra, Rato e Bino encabeçam aquela que será, sem dúvida, a maior aventura do cinema português!
Um excelente filme...

13 de julho de 2008

BALAS & BOLINHOS

Um filme das aventuras à portuguesa de quatro criminosos pouco inteligentes... Depois de assegurar o estatuto de culto com a passagem pelo Fantasporto e SIC Radical, Tone e os seus companheiros chegam numa aventura sem precedentes.
Tone, a mente brilhante do crime saiu da prisão e voltou cheio de ideias. Depois de reunir os seus antigos companheiros, tudo está preparado para o golpe final.
Desta vez é que vai ser... vai haver dinheiro a jorrar por todos os lados...
E porque o Tone é demais... os seus companheiros seguem à risca o plano sem mais questões!
O resultado... só vendo para querer!
Um filme bastante divertido sem dúvida!

17 de junho de 2008

LEI Nº 37/2007 DE 14 DE AGOSTO - FUMO DO TABACO

Temos direito a respirar...
90% do nosso tempo é vivido em edifícios...
O fumo do tabaco é prejudicial à saúde de quem fuma e de quem está exposto...
Esta nova legislação tem os meus aplausos...

PUDIM DE LARANJA - QUINTA DOS INGLESES LOUSADA

Este pudim de Lousada no distrito do Porto é excelente...
Portugal no seu melhor!
Pecado da gula...

15 de junho de 2008

A PASSAGEM DA NOITE

Um dos melhores filmes portugueses...
Mariana tem 17 anos, vive na periferia de Lisboa e é estudante de liceu. Um dia vê-se confrontada com uma situação desesperada: é violada por um toxicodependente e descobre mais tarde estar grávida... O violador é acusado de um homicídio praticado à mesma hora da violação... A justiça em Portugal...
Por medo, vergonha ou raiva decide encobrir o sucedido de todos - pais, namorado, amigos, polícia e tribunal - e enfrentar tudo sozinha. Apenas um insistente inspector da Judiciária, uma espécie de anjo da guarda, e uma prostituta pragmática assistem ao percurso secreto de sobrevivência à violação, subsequente gravidez indesejada e possível contaminação com SIDA desta jovem, que se vê assim forçada a uma "passagem" conturbada para a idade adulta...

10 de junho de 2008

DIA DE PORTUGAL - LICEU CAMÕES - LISBOA

Oficialmente Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades Portuguesas... A data do falecimento de Luís Vaz de Camões, em 1580 , é utilizada para relembrar não só os feitos passados como os milhões de Portugueses que vivem fora do seu país natal.
Luís Vaz de Camões nasceu por volta de 1524 ou 25, provavelmente em Lisboa ou Alenquer, filho de Simão Vaz de Camões e Ana de Sá, que pertenciam à pequena aristocracia falida da época. Entre 1549 e 1551 esteve em Ceuta, em cujo cerco perdeu o olho direito.
A paixão pela lírica e a participação nos divertimentos poéticos aproximaram-no das damas da corte, que galanteava, e dos fidalgos da alta nobreza, com quem mantinha relações de amizade. A sua actividade literária não se restringia à poesia, sendo também conhecidos numerosos textos epistolares autobiográficos que escrevia de Lisboa e da Índia (para onde embarcou em 1553, na armada de Fernão Álvares Cabral) e através dos quais entramos em contacto com o lado mais sarcástico e boémio do escritor. Foi na Índia, mais exactamente em Goa, que colheu muita da inspiração para escrever a quase totalidade d’Os Lusíadas, obra épica que o coloca, em termos de genialidade, ao lado de Virgílio, Cervantes e Shakespeare. Por volta de 1556 partiu para Macau. No naufrágio na foz do rio Mekong, de que se salvou a nado, conservou heroicamente o manuscrito do épico, que estava na altura bastante avançado.
Em 1569, falido e cansado, regressa a Lisboa. Em 1572 publica Os Lusíadas com alguma liberdade (visto a censura ter sido branda), mas continua a viver na pobreza, não obstante a tença anual de 15 000 reis que lhe é atribuída.
Morreu Camões, “Príncipe dos poetas de seu tempo”...
A minha admiração por Camões fez com que me matriculasse na Escola Secundária de Camões em Lisboa... Se as paredes do liceu falassem... Eterna saudade! (LOL)
A Escola Secundária de Camões, fundada em 1902, é uma das maiores e mais prestigiadas escolas secundárias de Lisboa. O antigo “Lyceu Camões” - foi criado em 1902 por Carta de Lei, de 24 de Maio, com o nome de Liceu Nacional de Lisboa, sendo o segundo liceu de Lisboa ( o primeiro foi o Passos Manuel, de 1836). O recém-criado criado Liceu viu-se imediatamente confrontado com dificuldades : uma das mais prementes, a sua instalação física - foi escolhido um local: o Palácio da Regaleira, no Largo de S. Domingos. Estava longe de ser o local ideal: as salas eram muito pequenas e mal mobiladas, não existia um laboratório de Física, Química ou Zoologia, nem um recreio onde os alunos pudessem passar os intervalos – as brincadeiras decorriam nas proximidades do edifício ou no próprio Largo de S. Domingos. Como se não bastasse, o Liceu partilhava o rés-do-chão com uma leitaria e uma loja de mobílias...
Dois anos mais tarde, aquando da divisão de Lisboa em três zonas escolares, o Liceu Nacional torna-se no principal da primeira zona, ganhando assim mais autonomia. As dificuldades contudo foram aumentando à medida que a população escolar aumentava – afinal o Liceu servia agora 15 freguesias.
Em grande parte devido à procura de um espaço adequado para a prática de Educação Física - obrigatória desde1905 - Rui Teles Palhinha, o primeiro reitor do Liceu Central da 1ª zona, tentou encontrar um edifício que reunisse as condições necessárias, que incluíam amplos espaços e condições de higiene. Como hipóteses surgiram o Teatro D. Maria II e o Real Ginásio Clube, mas acabou por ser conseguído o Centro Nacional de Esgrima. No entanto, uma coisa ficou clara: a necessidade de um espaço e edifício próprio, construído de raiz. Com esse objectivo, Rui Teles Palhinha faz uma exposição ao Ministro dos Negócios do Reino, onde pede a “construção dum edifício em local próprio, construção que obedeça aos princípios da mais estrita economia, tendo em vista que uma escola precisa de ar e de luz, que são de graça, e prescinde de cantarias lavradas e de madeiras ricas”. A construção do novo espaço é aprovada e autorizado um empréstimo no valor máximo de 200 contos, “destinado à aquisição de terreno e construção do edifício para o Liceu Central da 1ª zona escolar”, ficando o restante destinado à aquisição de mobiliário. No inicio de 1908 iniciam-se as obras, que vêm a acabar surpreendentemente depressa 21 meses depois, nos finais de 1909. Entretanto, a 9 de Setembro de 1908, a designação muda oficialmente para Lyceu de Camões, e a inauguração ocorre a 16 de Outubro de 1909. O Liceu foi construído no Largo do Matadouro Municipal, sob fortes criticas, por ser de difícil acesso e distante para os alunos ... Embora fosse uma zona de expansão, três anos depois da abertura o local continuava ermo e inóspito, existindo nas proximidades somente o Matadouro e a Escola de Medicina Veterinária.
Projectado inicialmente para acolher 600 alunos, no ano lectivo de 1909-10 o Liceu dispunha de trinta professores que leccionavam a um total de 19 turmas. Desde o início houve preocupação com o desenvolvimento físico e intelectual e com a higiene dos alunos, o que se traduziu em lavabos distribuídos por todo o edifício, duches ao pé do ginásio, o projecto de uma piscina de natação, a separação dos espaços especializados, a notória separação da via pública, o agrupamento dos alunos em pátios diferentes e a habitação independente do reitor. A construção em tridente resolvia o problema da iluminação e arejamento da escola, ao mesmo tempo que proporcionava um ambiente educativo que promovia a permanência dos alunos dentro do edifício. Outro aspecto do esquema compositivo em tridente e da disposição das salas é o facto de o Liceu praticamente não possuir corredores fechados – as salas dão directamente para o pátio ou para galerias abertas. Ouviram-se, na altura, alguns comentários dizendo que “o liceu era um grande ginásio com algumas salas de aula à volta dele”.
Dos primeiros tempos do Liceu, convém destacar um aluno pela importância que teve no despertar do movimento associativo estudantil: Mário de Sá-Carneiro. Tendo tido um percurso liceal algo atribulado, acaba por concluir o secundário no Liceu de Camões nas Turmas de Letras de 1909/1910 e 1910/1911, depois de três anos nos 6º e 7º anos de Ciências, e depois de ter passado igualmente pelo Liceu do Carmo e pelo de S. Domingos.
Em 1911, é publicado o regulamento interno, onde vem definida a vida da Associação Académica do Liceu de Camões, fundada a 9 de Fevereiro do mesmo ano. Os principais objectivos da associação consistiam no desenvolvimento físico e intelectual dos seus sócios e na solidariedade escolar a favor dos mais desfavorecidos, tendo lhe sido autorizada a organização de conferências, jogos de educação física e aulas de esgrima. Embora tenha sido alvo, alguns anos mais tarde, duma reformulação em que se acentuava o controlo institucional por parte do reitor, a Associação Académica do Liceu de Camões conduziu, em grande parte, à afirmação cultural do Liceu, nomeadamente através da organização de festas escolares, eventos desportivos, ocupação de tempos livres nas férias grandes, actividades de assistência e escutismo. Em 1936, a Associação foi extinta e as suas actividades integradas na Mocidade Portuguesa.
Até finais da década de 1920, verifica-se uma crescente estabilidade e projecção pública do Liceu, indicada sobretudo pelo aumento de número de alunos e de alunas. Este aumento de alunos foi de tal maneira notório que, se no ano lectivo de 1925/26 o Liceu funcionou com 29 turmas, no ano seguinte eram 43 as turmas, o que obrigou ao primeiro desdobramento em dois turnos. No mesmo ano de 1927, foram construídos os dois gabinetes de Física e Química, procurando solucionar três problemas: corresponder melhor aos objectivos das últimas reformas de ensino, principalmente no aspecto da experimentação; aumentar a disponibilidade das salas de aula face à súbita procura social do ensino secundário; afastar do edifício principal instalações mais estreitas a acidentes.
Um dos factores de prestígio do liceu foi, sem dúvida, a cantina escolar criada em 1931 e que incorpora desde logo quatro secções: refeitórios, pastelaria, livraria e papelaria. A Cantina Escolar foi um dos maiores contribuintes para o desenvolvimento do liceu, quer apadrinhando os prémios resultantes do Quadro de Honra, dotando o liceu de dois campos de golfe, quer sustentando em parte as despesas do cinema educativo ou subsidiando a execução de jardins. No entanto, com a entrada nos anos 30, ocorre uma profunda mudança na filosofia da instituição que “aponta no sentido de práticas mais liberais e mais consentâneas com o ideário do regime político vigente”. Na prática, alem da extinção da Associação Académica, esta viragem traduziu-se numa consolidação da estrutura hierárquica do reitor e numa perda de autonomia do corpo docente sendo no entanto deixada uma margem de manobra no que respeita à pedagogia, quer seja pela aquisição de material didáctico apropriado e actualizado, pela compra de novos livros para a biblioteca, seja apoiando as visitas de estudo, as festas e as viagens de finalistas ou promovendo sessões culturais e “acções pedagógicas” para os professores, sendo inclusive criado pelos alunos um posto de rádio, em 1961.
Neste liceu viajei na rota do jornalismo e frequentei o curso tecnológico de Comunicação e Difusão - Nível III CE.
No final da década de 1950, o liceu conhece um momento de expansão com a abertura de duas secções: a de Alvalade (1957/58), actual Padre António Vieira; e a do Areeiro (1958/59), hoje em dia, a Escola E. B. 2,3 Luís de Camões. Esta expansão vem como parte da solução ao combate ao sempre crescente número de alunos. No ano lectivo de 1972/73 estava inicialmente previsto acolher 600 alunos mas suportava mais de 2200, sem contar com o ciclo nocturno! Ainda hoje a escola mantém o ensino nocturno e continua a ser uma das melhores escolas secundárias do país. Nos últimos anos, tem sido alvo de obras de remodelação e expansão, tendo sido criados de raiz um refeitório, um auditório, uma sala de musculação, um novo espaço para o museu da escola e um pavilhão gimnodesportivo. Dispõe igualmente de um centro de recursos escolares, de uma biblioteca, salas de informática e desenho, uma papelaria, um bar de alunos e professores, os laboratórios de Física, Química e Biologia, a sala da Associação de Estudantes, dois campos de futebol, mesas de pingue-pongue e de matraquilhos. Um incêndio numa das caves atingiu parte do arquivo da escola e da secretaria destruindo registos de alunos, professores, exames e contas; de modo a proceder à recuperação e reorganização do material afectado, o antigo ginásio esteve encerrado durante alguns meses, mas foi reaberto...

Pegadas históricas no liceu... Estão lá as minhas(LOL): General Silvino Marques, Guterres, José Cardoso, Durão Barroso, Leopoldo Drummond, Vergilio Ferreira, Ricardo, Mário de Sá-Carneiro, Jorge Palma...

8 de junho de 2008

PORTUGAL

A língua portuguesa é falada por mais de 315 milhões de pessoas em todo o mundo, sendo a 3ª mais falada no mundo ocidental.
O português é o idioma principal de vários países além de Portugal, tais como o Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Timor Leste e antiga Índia Portuguesa.
Celebremos enquanto podemos (LOL)...

18 de maio de 2008

COUCH SURF - SOFÁ CHEZ-LONG

O "couch surf" é uma óptima forma de partilhar a cultura durante as férias. Trata-se de uma forma recente e diferente de fazer turismo. Os visitantes gastam apenas o dinheiro das viagens e, no país de acolhimento, o alojamento é gratuito.

O "couch", o sofá, é o que os membros desta rede têm para oferecer.

O "couch surf" começou a ser estudado em 1998, mas o "site" apenas surgiu em 2004. Portugal está no "top" dos dez países com mais adesões a este tipo de turismo. À frente tem apenas os Estados Unidos, Canadá e Reino Unido. Na rede existem mais de 23400 turistas de sofá...

Há quem ofereça mais do que um sofá... Cada um dá as condições de acolhimento que pode e existe quem fique instalado num quarto de hóspedes...

Ser "surfer" é um tipo de turismo óptimo para quem quer gastar pouco e conhecer muito mas considero ser bastante perigoso...

Tenho um chez-long disponível para a minha rede de amigos e amigas (LOL)... Não sei quanto tempo dura um sofá do Ikea mas se quiser saber é melhor esperar sentada...